Este tem sido um período estressante para muitas pessoas, mas o acesso a novas vacinas é uma etapa importante e animadora em nossa luta contra a COVID-19, simbolizando a volta para uma vida mais normal. Para ajudar a abordar suas dúvidas sobre as vacinas disponíveis no momento, aqui estão alguns fatos obtidos a partir dos médicos especialistas em doenças infecciosas do Tufts Medical Center:

Três vacinas receberam a Autorização para Uso Emergencial (AUE) da Food and Drug Administration. As vacinas da Moderna e da Pfizer receberam autorização em dezembro de 2020, e a vacina da Janssen (Johnson & Johnson) recebeu a AUE no fim de fevereiro de 2021. Todas as três vacinas são ofertadas nos locais de vacinação da Wellforce.

As três vacinas são extremamente efetivas, superando todas as expectativas e referências de sucesso da FDA. Nos testes clínicos, não houve casos de mortes por COVID-19 dentre os participantes que receberam a vacina.

As três vacinas envolvem o uso de “instruções” para as suas células sobre como fazer a “proteína spike”, que é única para o vírus que causa a COVID-19. A “proteína spike” produzida por suas células depois da vacinação faz com que o seu sistema imunológico “pense” que seu corpo realmente possui COVID-19, mesmo que não tenha contraído a doença. Isso faz com que o sistema imunológico produza anticorpos que se ligam à proteína spike do vírus real que causa a COVID-19 caso você seja exposto(a), interrompendo a infecção. As vacinas da Moderna e da Pfizer fazem isso introduzindo uma instrução chamada mRNA em uma partícula especialmente projetada. A vacina da Janssen (Johnson & Johnson) faz isso introduzindo uma receita chamada DNA, que é levada por uma versão inativa de outro vírus, o adenovírus. O adenovírus não pode se multiplicar no corpo humano. Nem o mRNA nem o DNA conseguem ser integrar no material genético humano.

Sim. Tanto a vacina da Pfizer quanto a da Moderna são aplicadas em duas doses, com intervalos de 21 (Pfizer) ou 28 dias (Moderna). A efetividade da vacina só foi estudada em testes clínicos depois de duas doses.

Todas as vacinas são altamente efetivas em todas as populações estudadas, logo, não há motivo para escolher uma no lugar de outra. Não haverá a opção de escolher o tipo de vacina que você receberá em nossos locais de vacinação.

Sim, as vacinas disponíveis para a COVID-19 – Pfizer, Moderna e Janssen (Johnson & Johnson) – foram rigorosamente testadas como parte de testes clínicos. A Food and Drug Administration (FDA) e um grupo de especialistas em vacinas ao redor do país revisaram cuidadosamente as informações. A FDA definiu que é seguro disponibilizar as vacinas da Moderna e da Janssen (Johnson & Johnson) para pessoas com 18 anos ou mais. A vacina da Pfizer pode ser usada em pessoas com 16 anos ou mais. Os limites de idade não diferem por causa de preocupações de segurança, mas sim por diferentes limites usados em cada estudo.

A revisão da FDA de cada vacina foi cuidadosa e rigorosa, e nenhuma etapa foi pulada no processo de revisão da segurança das vacinas. A FDA definiu que as vacinas atingem padrões de segurança e eficácia com base nos dados disponíveis atualmente de mais de 70.000 voluntários diversos, e foi determinado que os benefícios das vacinas superam em larga escala o risco de qualquer efeito colateral. Além disso, mais de 76 milhões de norte-americanos já foram vacinados com monitoramento próximo da FDA e do CDC para efeitos colaterais. Nenhuma tendência preocupante ligada à segurança foi encontrada.

Os efeitos colaterais reportados com mais frequência para todas as vacinas da COVID-19 são dor no local da injeção e sintomas de gripe, incluindo fadiga, dores no corpo, calafrios ou febre após a vacina. Nos casos da Pfizer e da Moderna, os efeitos colaterais foram mais comuns depois da segunda dose da vacina, e mais prováveis de serem observados em pessoas mais jovens. Esses sintomas desaparecem nos primeiros dias após a vacinação. Os efeitos colaterais nos dizem que o corpo está criando uma proteção contra o vírus.

Até o momento, todas as pessoas que tiveram reações alérgicas à vacina se recuperaram rapidamente. O risco de reações alérgicas é muito pequeno, e é semelhante ao risco associado a todos os outros medicamentos e vacinas.

Sim. Nós só pedimos que você atrase a vacinação até ser liberado(a) do isolamento, para que você não seja mais contagioso(a) para os outros. Agende a sua segunda dose o mais rápido possível depois da liberação do isolamento, desde que ela ocorra pelo menos 21 dias depois da primeira dose da Pfizer ou 28 dias depois da primeira dose da Moderna.

Sim. O CDC recomenda que até as pessoas que já foram infectadas pela COVID-19 sejam vacinadas quando estiverem elegíveis. Isso ocorre porque a imunidade da vacinação aparenta ser mais confiável que a imunidade adquirida pela infecção natural. Você pode escolher atrasar sua vacinação até 90 dias depois da infecção, pois pode ter uma certa confiança de que a imunidade adquirida pela infecção durará esse tempo. Porém, se você for elegível e quiser se vacinar mais cedo, você pode. Por favor, espere até ter sido liberado(a) do isolamento da infecção da COVID-19 antes de ir a um local de vacinação.

Sim. Nós só pedimos que você atrase a vacinação até ser liberado(a) do isolamento, para que você não seja mais contagioso(a) para os outros. Agende a sua segunda dose o mais rápido possível depois da liberação do isolamento, desde que ela ocorra pelo menos 21 dias depois da primeira dose da Pfizer ou 28 dias depois da primeira dose da Moderna.

Sim. Pessoas grávidas apresentam um risco maior de contraírem a COVID-19 na forma grave. Por esse motivo, o CDC, a Society for Maternal-Fetal Medicine e o American College of Obstetricians and Gynecologists recomendam fortemente que pessoas grávidas tenham acesso às vacinas para a COVID-19 e que cada pessoa tenha uma discussão com seu profissional de saúde sobre sua escolha pessoal. Para mais informações sobre as vacinas para a COVID-19 e a gravidez, acesse este link.

Sim. O CDC e a Society for Maternal-Fetal Medicine relatam que não há motivo para acreditar que a vacina afeta a segurança do leite materno. Para mais informações, acesse este link.

Não, as declarações de precauções/alergias são diferentes para cada vacina. As pessoas que possuem uma alergia conhecida ao polietilenoglicol (PEG) não devem tomar a vacina da Pfizer ou a da Moderna. Pessoas que possuem uma alergia conhecida ao polissorbato não devem tomar a vacina da Janssen (Johnson & Johnson). Se você teve uma reação alérgica grave ou imediata a uma dose da vacina da Moderna ou da Pfizer, você pode receber a vacina da Janssen (Johnson & Johnson) como a segunda dose. É importante discutir com seu médico primário.

Outros tipos de históricos de alergias, como uma reação alérgica imediata a outra vacina ou a algum tratamento injetável, ou ainda um histórico de anafilaxia com qualquer causa são considerados motivos de precaução pelo CDC. Pessoas com essas reações devem receber as vacinas, mas devem ser observadas por 30 minutos (ao invés de 15) depois de cada dose da vacina.

Reações alérgicas (incluindo reações graves) não relacionadas a vacinas ou tratamentos injetáveis (ex.: reações alérgicas a alimentos, animais de estimação, inseticidas e alergias ambientais ou ao látex, ou ainda medicamentos orais incluindo os equivalentes orais de medicamentos injetáveis) não representam uma contraindicação ou motivo de precaução para as vacinas da COVID-19. Para mais informações, acesse a página do CDC de Vacinas e Imunizantes.

Sim. Não há reações ou interações conhecidas entre medicamentos orais e as vacinas.

Sim. Apesar de sabermos que a vacina evita que você contraia a COVID-19 e protege os outros de pegarem COVID-19 de você, em locais públicos nós ainda precisamos seguir todas as regras, incluindo manter o distanciamento social, usar máscaras e seguir outros direcionamentos do CDC para reduzir o risco de transmissão Com o tempo e com mais pessoas sendo vacinadas, esperamos que as restrições sejam reduzidas gradualmente.

Dar um fim a uma pandemia exige que usemos todas as ferramentas que temos à nossa disposição. Em conjunto, a vacina e essas recomendações nos dão a melhor chance de darmos proteção a nós mesmos e aos outros contra a COVID-19, ajudando a desacelerar sua disseminação em nossas comunidades. A vacinação é a melhor ferramenta que temos para retornar às atividades que amamos e de que sentimos saudade.

Sim. Estudos mostram que as vacinas são extremamente efetivas na prevenção da COVID-19 em pessoas vacinadas. Dados preliminares também sugerem que as vacinas também são, muito eficientes na prevenção da infecção assintomática (provavelmente entre 75% e 90%) e que, quando pessoas vacinadas desenvolvem uma infecção, a carga viral presente nas suas secreções é menor. No geral, isso significa que as vacinas provavelmente protegem não só a nós mesmos, mas também aos outros.

O Department of Public Health do estado emitiu diretrizes para determinar quando os indivíduos podem se vacinar. As pessoas nos grupos de Fase 1 e Fase 2 podem tomar a vacina agora. Você pode encontrar mais detalhes sobre quando e onde se vacinar em https://www.mass.gov/covid-19-vaccine.

As redes sociais podem espalhas informações de forma fácil e rápida, incluindo informações falsas. É sempre importante verificar a fonte da informação. O CDC fornece recursos confiáveis e excelentes para pessoas com dúvidas sobre as vacinas para a COVID-19 aqui. Informações da FDA em vários idiomas podem ser encontradas aqui e também são muito úteis. Seu médico também pode conversar mais com você sobre a vacina. Acesse www.Wellforce.org/covidvaccine para vídeos e outras informações em vários idiomas.

Como os EUA ainda estão enfrentando altos níveis de atividade da COVID-19, especialistas de saúde pública nacionais e estaduais continuam a encorajar os norte-americanos a evitarem viagens tanto nacionais quanto internacionais. Recentemente, o CDC divulgou uma nova orientação de viagens para indivíduos vacinados aqui. Alguns estados dos EUA ajustaram suas restrições de viagens. Confira as diretrizes do estado que você pretende visitar. Confira também as diretrizes de viagens mais recentes do estado de Massachusetts.